sábado, 10 de março de 2012

Simplesmente... ( Texto de Carminha Cota )

Olhar para o céu, penetrando além das densas nuvens, trazendo para si a sensação do silêncio forte e ao mesmo tempo sentir ecoando na alma uma quietude indefinível...
Que ambiente único!
Que sensação nova!
Capaz de despertar na imaginação quadros geográficos do espaço imaginável.
Mais uma contribuição para a sensibilidade ali experimentada.
Oh brisa que deserta o Ser para a realidade... impregnando nas narinas o cheiro verde da natureza presente...
Extrai-se daqui uma nova aventura.
A aventura de viver simplesmente.
Que maravilha!...

Dia a dia   ( Texto de Carminha Cota )

Na conduta diária do Ser em sua caminhada evolutiva, diversos quadros vão se figurando ante seus olhos, desafiando postura com certo tempo para cada ação.
A impermanência das situações arrancam sentimentos de matizes variados, como a ofuscar velhos aprendizados.
A vida cotidiana tende a modificar as reações do Ser, criando campo para cada atuação, formando novas opiniões acerca dos obstáculos que surpreendem e fortalecem as experiências.
Nada como um dia após o outro...

sexta-feira, 9 de março de 2012

De Pés Descalços ( texto de Carminha Cota )


Deitada na relva da imaginação, diviso ao longe o imaterial inerte no infinito das possibilidades.
Calço minhas mãos hábeis de projetos direcionados ao sucesso.
Num vai e vem dos pensamentos, o auxílio vem em forma de discernimento.
Já não há mais tempo para os erros e a felicidade urge nas entranhas das oportunidades.
O tato trafega na matéria, deixando no ar o drible das explicações.
Tonturas tiram o corpo do lugar, dando a sensação de dar um passo impensado.
O verbo se confunde com as expressões que já não se quer mais articular.
E o silêncio, absoluto senhor do afastamento dos fatos, cria na mente algo quase que um sonho, se não fosse pela intenção de se buscar ideais realizáveis.
Fatos, atos, reações... E o prosseguir torna-se mais definido.